Moradores do Loteamento se reúnem com Procurador do Estado

ato_loteamento_sao_francisco-8

Faixas ficaram durante toda a manhã estendidas na frente da PGE | Foto: Ana Lira

Na manhã de hoje, os moradores do Loteamento São Francisco foram recebidos pelo procurador Thiago Norões, na sede da PGE, na Rua do Sol, em Recife. A imprensa não pôde acompanhar a reunião, de forma presencial, e outras pessoas que se deslocaram para apoiar os moradores também precisaram permanecer em frente ao órgão público durante toda a manhã.

Os secretários Danilo Cabral, da Secretaria da Cidades; Tadeu Alencar, da Secretaria da Casa Civil; Analúcia Cabral, da Secretaria Executiva de Desapropriações; Paulo Henrique Saraiva Câmara, da Secretaria da Fazenda; Paulo Moraes, da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos não estavam presentes, conforme foi solicitado pelos moradores, no ato da semana passada e foram recebidos, apenas pelo procurador e pelo presidente da CEHAB, Flávio Figueiredo, além de representantes da defensoria pública, que estão sendo criticados por suas atuações perante às famílias.

A reunião durou cerca de 5 horas e, ao final, foram formados três grupos de trabalho cujos integrantes são moradores, representantes das entidades sociais e jurídicas que estão apoiando os moradores e funcionários da procuradoria. O objetivo é revisar todas as informações dos processos que estão em andamento e apontar soluções para tentar resolver o impasse que impede o pagamento das indenizações.

Na próxima semana, os moradores devem ser recebidos pelo presidente da CEHAB em mais uma reunião. Eles vão discutir as propostas de auxílio moradia e da construção de um habitacional que está sendo proposta pelo governo em São Lourenço da Mata. O presidente da CEHAB alegou, contudo, que caso eles optem pelo auxílio + habitacional, precisam abrir mão das indenizações.

Os moradores alegam que 200 reais de auxílio moradia é um absurdo, uma vez que todos tinham casa própria e os aluguéis de casa, na região em que moram e por imóveis em condições inferior ao que eles possuíam, varia de 500 reais a 700 reais. Eles questionam uma desapropriação que, ao invés de prezar pelo direito de quem cedeu as casas, traz problemas e gastos que eles não têm condições de arcar. Enquanto isso não se resolve, eles articulam as comissões e tentam mobilizar outros moradores para continuar pressionando o governo estadual.

Seguem mais fotos do ato de hoje:

ato_loteamento_sao_francisco-14

Procurador Thiago Norões acredita que a reunião foi proveitosa e se mostrou disposto a tentar resolver o impasse. Moradores aguardam futuras decisões | Foto: Ana Lira

ato_loteamento_sao_francisco-13

Professora da UFPE e orientadora do NAJUP, Liana Cirne acompanhou a reunião da PGE | Foto: Ana Lira

ato_loteamento_sao_francisco-12

Moradores ouvem a procuradora Danielle Monteiro falar sobre os processos | Foto: Ana Lira

ato_loteamento_sao_francisco-11

Moradora acompanha entrevistas após reunião na PGE |Foto: Ana Lira

ato_loteamento_sao_francisco-10

Defensora pública, Danielle Monteiro, responde jornalistas acerca dos processos do Loteamento São Francisco. Ela diz que não havia outra solução para os moradores, a não ser sair. Outros agentes jurídicos contestam a procuradora | Foto: Ana Lira

ato_loteamento_sao_francisco-9

Presidente da CEHAB, Flávio Figueirêdo, dialoga com moradora sobre proposta dos habitacionais | Foto: Ana Lira

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s